Uma vez definido “Para quê implantar o BIM?”, deve-se partir para escolha de um ou mais softwares ou aplicativos que permitam a implantação e o fluxo de trabalho da metodologia BIM nas dimensões de atuação da empresa. Dessa forma, alguns recursos precisam ser levados em consideração para escolher assertivamente a ferramenta BIM, dentre as diversas opções oferecidas pelo mercado. Com destaque para:

a) Interface com usuário

Qualquer ferramenta BIM precisa de uma interface que promova facilidade de uso, seja intuitiva e permita o máximo aproveitamento de suas funcionalidades.

b) Geração automática de desenhos

Atualmente, a documentação 2D ainda é bastante utilizada. Sendo assim a ferramenta BIM precisa gerar, em total correspondência ao modelo 3D, desenhos, cortes, vistas, detalhes e tabelas que serão incorporados às plantas que compõem a documentação.

c) Personalização de objetos paramétricos

Uma boa ferramenta BIM precisa permitir de modo fácil e intuitivo o desenvolvimento objetos paramétricos, a partir da criação e manipulação de suas propriedades e atributos.

d) Escalabilidade

Para se adequar à capacidade disponível de desempenho dos hardwares das estações individuais de trabalho, as ferramentas BIM precisam ter habilidade de lidar com combinações de projetos de grande escala e modelagem com elevada complexidade de detalhes, mantendo as condições de uso prático do modelo.

e) Interoperabilidade

As diversas ferramentas BIM se baseiam em definições diferentes para seus objetos base. Contudo, para que haja comunicação, a ferramenta BIM escolhida deve ter recursos para importação e exportação de modelos, de modo que seus modelos desenvolvidos possam ser visualizados e manipulados em outras ferramentas, principalmente através da padronização para definição de objetos IFC.

f) Extensibilidade

Esse recurso muito interessante permite que sejam criados tanto modelos personificados quanto genéricos, ampliando a extensão de possibilidades. Para isso, a ferramenta BIM deve ter capacidade de fornecer suporte para scrpits, permitindo que uma linguagem interativa acrescente funcionalidades ou automatize tarefas básicas.

g) Recursos avançados de modelagem

Em determinados modelos faz-se necessário o uso de elementos com superfícies ou curvas complexas. A ferramenta BIM escolhida deve permitir a criação e edição de superfícies baseadas em quádricas, splines e B-splines, como parte integrante de sua própria estrutura base, uma vez que não há como acrescentar esse recurso ao pacote original.

h) Ambiente multiusuário

Para que os benefícios do BIM sejam de fato aproveitados em sua plenitude, é necessário que se estabeleça um fluxo colaborativo de trabalho. Portanto, a ferramenta BIM deve ser capaz de garantir a colaboração entre os integrantes das equipes de projeto, gerenciando o acesso e permitindo que os múltiplos usuários manipulem o modelo de forma ordenada e consistente.

i) Suporte técnico

É de extrema importância que o desenvolvedor da ferramenta BIM garanta assistência técnica de qualidade, tanto com manuais de instrução, recursos online, central de atendimento e treinamentos, inclusive em diversos idiomas.

Conclusão

A escolha da ferramenta deve ser feita com critério, de modo a potencializar os benefícios que a adoção do BIM pode oferecer à empresa, em termos de competitividade, produtividade e economia, conforme estabelecido em seu Plano de execução BIM (PE-BIM). Sendo assim, além dos recursos descritos, também devem ser observadas as habilidades dos colaboradores, a comunicação com os clientes e fornecedores, bem como a disponibilidade financeira para investimento em softwares e hardwares. Nesse processo se faz presente a figura do BIM Manager.

Bibliografia

AMORIM, S.R.L. Gerenciamento e coordenação de projetos BIM: um guia de ferramentas e boas práticas para o sucesso de empreendimentos. Rio de Janeiro: Elsevier, 2018.

EASTMAN, C.; TEICHOLZ, P.; SACKS, R.; LISTON, K. Manual de BIM: Um guia de MODELAGEM da Informação da Construção para arquitetos, engenheiros, gerentes, construtores e incorporadores. Porto Alegre: Bookman, 2014.

KENSEC, K. Building Information Modeling: BIM: fundamentos e aplicações. Rio de Janeiro: Elsevier, 2018.

SUCCAR, B. Building Information Modelling Framework: A reserch and delivery foudation for industry stakeholders. Automation in Construction, [S.I.], n.18, p.357-375, 2009.

Eng. Me. André Luís L Velame Branco Projetista, Professor e Consultor de Cálculo Estrutural

Pela proposta de valor diferenciada oferecida pela ALL VELAME Projetos de Estruturas, existe um amplo leque de potenciais projetos locais e em outros estados e regiões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *