Para se evitar a fissuração excessiva nas estruturas de concreto armado, alguns cuidados devem ser tomados e estão distribuídos em medidas que evitam fissuras antes do endurecimento e medidas que evitam fissuras após o endurecimento.

Antes do endurecimento

Para se evitar fissuras nesse estágio, é recomendado que:

a) Seja utilizada uma dosagem bem equilibrada do concreto, reduzindo o valor do abatimento (teste do Slump);

b) O adensamento do concreto seja adequado, podendo incluir uma nova vibração posterior ao aparecimento das primeiras fissuras;

c) Se utilize água de amassamento e agregados o mais resfriados possível, formas e base de concretagem conservadas em sombra e realização da concretagem durante períodos do dia não muito quentes, e assim, reduzir a temperatura do concreto, elevada pelo calor de hidratação do cimento;

d) Se proteja a superfície das peças do vento e que a superfície do concreto seja mantida úmida, por meio de nebulização durante o acabamento, até que a cura úmida possa ser iniciada, e da proteção do concreto com coberturas provisórias no período que vai do lançamento ao acabamento.

Após o endurecimento:

Dentre as medidas possíveis para que o concreto não fissure neste estágio, podemos citar:

a) Produção de elementos estruturais com concreto suficientemente resistente à tração e com pequena relação água-cimento;

b) Realização de cura adequada e eficiente;

c) Utilização de barras com armadura de pele;

d) Protensão;

e) Controle do espaçamento entre as juntas de concretagem.

A redução do calor de hidratação do cimento também evita o aparecimento de fissuras após o endurecimento, assim como a utilização de elementos estruturais com maiores dimensões, porém este recurso pode não fornecer viabilidade estética, nem econômica.

Quanto à fissuração paralela às armaduras longitudinais, esta deve ser contida utilizando-se:

a) Cobrimento mínimo adequado que reduza a possibilidade de corrosão;

b) Limitação para as tensões de aderência;

c) Taxa mínima de armadura que controle a abertura das fissuras;

d) Promover cura adequada, como já foi citado antes.

Bibliografia

ABNT – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6118: Projeto de estruturas de concreto – Procedimentos. Rio de Janeiro, 2014.

ABNT – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7480: Aço destinado a armaduras para estruturas de concreto armado – Especificação. Rio de Janeiro, 2007.

ARAÚJO, J. M. Projeto estrutural de edifícios de concreto armado. Rio Grande: Editora Dunas, 2009.

CHUST, R. C; FIGUEIREDO FILHO, J. R. Cálculo e detalhamento de estruturas usuais de concreto armado, Vol.1, 4ª edição. São Carlos: EDUFSCar, 2014.

BOLINA, F. L.; TUTIKIAN, B. F.; HELENE, P. R. L. Patologia de estruturas. São Paulo: Oficina de Textos, 2019.

FUSCO, P. B. Técnica de armar as estruturas de concreto. São Paulo: PINI, 1995.

MACHADO, A. P. Reforço de estruturas de concreto armado com fibras de carbono. São Paulo: PINI, 2002.

SOUZA, V. C.; RIPPER, T. Patologia, recuperação e reforço de estruturas. São Paulo: PINI, 1998.

THOMAZ, E. Trincas em edifício: causas, prevenção e recuperação. São Paulo: PINI, 1999.

LEONHARDT, F. Construções de concreto, volume 4. Rio de Janeiro: Interciência, 1979.

 

Eng. Me. André Luís L Velame Branco Projetista, Professor e Consultor de Cálculo Estrutural

Pela proposta de valor diferenciada oferecida pela ALL VELAME Projetos de Estruturas, existe um amplo leque de potenciais projetos locais e em outros estados e regiões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *